Véus de Walter Firmo

Comentários 15

Legal ver um material novo de um fotógrafo célebre. Além de mostrar outras linhas do autor, temos o prazer e a honra de contemplar a linguagem através de outros tempos. Imaginem tudo isso saindo da gaveta e a importância dessa linha histórica para os nossos filhos e netos?

A exposição Véus, de Walter Firmo, é um pouco disso tudo. A mostra traz fotografias pouco conhecidas e algumas inéditas. Este ano, Firmo completa 74 anos e 54 de carreira. O cara é um dos mestres do fotojornalismo brasileiro e sempre trouxe nas suas fotos um ar próprio. Show!

A exposição será no Ateliê da Imagem, no Rio de Janeiro e tem curadoria de Patricia Gouvêa e Claudia Buzzetti. A abertura será no dia 29 de abril.

Abaixo, um texto de Firmo para a exposição que é publicado com exclusividade aqui no Olhavê. Agradeço Patricia Gouvêa pela consideração.

Foto: Walter Firmo

Véus

Uma pequena historinha para que possamos entender os caminhos aos umbrais da arte. Estava eu bebericando uns drinques na praia do Atalaia, em Aracajú (SE), convidado por uma faculdade de lá que se ocupava em organizar uma semana fotográfica. Havia conceituados fotógrafos brasileiros e alunos de todas as partes do rincão nacional, atentos a workshops, palestras, leituras de portfólio, exposições, mesas-redondas etc.

A minha participação começaria no dia seguinte e eu ali, sozinho, curtindo a praia, espairando as ideias, vi, incrédulo, uma jovem figura feminina portando uma máquina fotográfica, caminhando a esmo, cujo corpo oscilava e o rosto ostentava um lenço branco sobre os olhos, amarrado à nuca.

Desacreditado daquela utopia, tentei ajeitar-me sobre a cadeira em que estava sentado, achando que alguém poderia ter colocado um “boa tarde cinderela” na minha bebida caso eu tivesse ido ao banheiro, porque o que via era uma verdadeira “viagem”. Bebendo mais um gole da batidinha “maneira”, acho que era de tangerina, apareceu mais um jovem ostentando outra câmera, também com os olhos vendados. Três, quatro, cinco, seis, sete – moças e rapazes – oito, nove, dez, todos da mesma maneira, dispersos, olhos vendados, agarrados a máquinas fotográficas. Pirei de vez.

Levantando-me, caminhei até o meio da praia e quem eu vi? Miguel Chikaoka com mais alunos, todos vendados, inclusive ele. Tratava-se de uma saída fotográfica cuja retórica é justamente trabalhar o quase impossível: olhar sensorialmente. Tocar as coisas, sentir o vento, ansiar um desejo, pisar sobre o imponderável, caminhando nas trevas. Porque o ato da criação nada mais é do que transpor o desconhecido, descobrindo-se, revelando a virgindade das ideias.

Esta exposição Véus faz parte da itinerância criativa aliada a todo artista insatisfeito, aquele que se masturba buscando outros prazeres, mesmo que para isso tenha de estar no breu com a cabeça enfronhada num latão de piche. Enclausurado e prisioneiro das trevas, como se estivesse de cabeça raspada num cativeiro, trancado para se transformar num santo. É abdicar do conhecimento geral consagrando o inverossímil, destampando o vaso do banheiro, lixando-se para os outros e fazendo para si mesmo. Em suma, é vestir-se naquilo que cobre ou esconde alguma coisa.

Quando Patricia Gouvêa e Claudia Buzzetti me convidaram para mostrar-me de outra forma, fui logo avisando que gostaria de revelar um certo outro lado, a terceira margem perversa longe do arco-íris, aquele distanciamento oculto embrenhado nas solidões onde o ego tem seu espelho partido.

O cinza é o aniquilamento de tudo, e o espaço sideral que transforma o mundo em preto e branco é perturbador. Poucos sabem que quando iniciei essa ascensão profissional aos dezesseis anos, eu mergulhava a imaginação nos reveladores do laboratório improvisado no banheirinho de empregada da casa dos meus pais. Madrugada adentro, sob o verde farol que me luzia na escuridão (luz de segurança acesa ao processar um filme pancromático). Quadrada, a imagem nascia sob o prisma da fascinação parida na Rolleiflex, minha primeira caixinha mágica onde aprendi, atento e em silêncio, as sinalizações de José Medeiros junto aos franceses Jean Manzon, Marcel Gautherot e Pierre Verger, soberanos do médio formato.

Véus é a linguagem de um redescobrimento que intuía e procurava. Sombrio patamar onde me debruço, recolhendo meus pedaços na beira de tantas estradas estreitas, bifurcadas, sem acostamento, quase sempre empoeiradas e cheias de buracos. Estranhamentos, repousos, resquícios de um “ano passado em Marienbad”, ou de uma “Passárgada”, onde sou filho do rei, mesmo que ele seja feio e desdentado, totalmente descolorido.

Walter Firmo, 29 de março de 2011

Comentários 15

  1. É a declaração de amor mais linda que tive a oportunidade de ler no último mês. É um amor daquele das entranhas, que nos faz reinterpretar o mundo. Quando Gouveia falou da exposição em preto e branco em Tiradentes, eu fiquei com vontade de ver. Depois de ler esse texto com calma, eu fiquei ansiosa. Vamos fazer essa exposição circular, de alguma maneira, para que os véus apaixonados de Firmo cubram outros espaços do país.

  2. Que boa história, e que rica narrativa! O Walter conseguiu criar imagens com as palavras…imagino o que nos espera, ao retirarmos os véus dessa sua poética terceira margem!
    Parabéns!!!

  3. Wank Carmo 30/04/2011

    Odeio smert iPhone porque nunca sei o que fica no final. Mas a cena é que Walter viu deve ter sido fantástica. Ri de doer a barriga com esta fantástica história,

  4. Wank Carmo 30/04/2011

    Abananadas ri de doer a barriga. Só um bom Miguel mesmo, para fazer todo mundo andar vendado, venado e transformasse resl a cena numa miragem surrealista. Em 96 em Curitiba fizemos “brincando com a luz” e foi fantástico. Ainda tenho escanear esses bons negativos… Gd abs

  5. Um aperto de mão bem demorado e olhando no fundo dos olhos para o mestre Firmo por este belo texto e parabéns para o Belém pelo Blog

  6. Carolina Filizola 28/04/2011

    Parabéns! O texto está maravilhoso e toca todo o nosso ser.

  7. está muito original esse tema tão simples feito com tanta categoria. é o nosso rei. abraço carinhoso. ivan lima guenjô

  8. Tiago Santana 26/04/2011

    Parabéns Firmo! Parabéns Patrícia! Parabéns Olhavê!

  9. O poeta Walter, com o olhar sempre atento e a mente aberta! Conjuga imagem e palavras tocando a alma em cores ou em branco e preto. Véus, possibilidades de descortinar o imaginário. Tomara que percorra o Brasil. Abraços

  10. Impressionante a forma de escrever e de ver e mostrar o mundo deste grande Mestre e ser humano chamado Walter Firmo. Um eterno abraço do amigo e ex-aluno Dário

  11. Esse é o poeta Firmo que alguns desconhecem tecendo sobre uma provável surpresa que nos aguarda nesta mostra em que “recolhendo meus pedaços na beira de tantas estradas estreitas” mostra “aquele distanciamento oculto embrenhado nas solidões onde o ego tem seu espelho partido”.
    Belém, para os que não puderem estar presentes, poste futuramente algumas fotos do nosso amigo.
    Abraços

  12. Ana Rodrigues 24/04/2011

    Lindo texto. Sem dúvida a exposição vai ser imperdível.

  13. Cristianne de Sá 24/04/2011

    Eu também, nem sei dizer…
    Na metade do texto eu já me derramei…
    Amanhã eu volto.

    Peraí!
    Eu preciso dar um beijo neste moço!

    Ele tem a idade do meu pai.

  14. Alexandre Severo 24/04/2011

    Eu nem sei o que dizer depois de ler isso.
    Os sentimentos e as palavras se embaralham num grande bololô.

Deixe um comentário