Olhavê no POY Latam

Comentários 2

Fotos: Alexandre Belém – Segundo dia de votação

A terça-feira amanheceu nublada aqui em Fortaleza.

A formatação dos jurados mudou e começou, de fato, a escolha dos vencedores. Os seis da comissão se juntaram e tivemos os primeiros escolhidos.

Um pequeno comentário: toda comissão julgadora é soberana e os critérios de escolhas são subjetivos (e pessoais) a partir de decisões que envolvem: história do jurado, repertório, cultura, envolvimento, tendência, etc. Todo este caldo resulta nos vencedores. A honestidade e competência dos jurados e que nos dá a confiança e respeitabilidade no concurso. Aqui, no POY Latam, isto é latente e traz uma grande transparência para o concurso (além de todo o processo ser aberto ao público).

Sinto (do verbo sentir, não do lamentar) que, mesmo estando em 2013, ainda nos cercamos de amarras e a [análise da] fotografia acaba ficando estancada em certos paradigmas: “Não me diz nada”, “não tem lógica”, “é muito fácil”, “onde é, quando foi, o que é isso?”

No site Nuestra Mirada, todos os ganhadores e galerias.

Para quem quer seguir o evento:

Instagram: @alexandrebelem

Facebook: @olhave

Transmissão online do POY Latam 2013, aqui: http://www.nuestramirada.org/

Abaixo, os vencedores de hoje.

Vida cotidiana – Individual

Vencedor: César Morejón
Segundo lugar: Rodrigo Abd

Galeria dos vencedores:


Encuentra más fotos como esta en Nuestra Mirada

 Vida cotidiana – Série

Vencedor: Edson Caballero

Galeria da série.


Encuentra más fotos como esta en Nuestra Mirada

Notícias – Individual

Vencedor: Guillermo Arias

Segundo lugar: Felipe Dana

Notícias – Série

Vencedor: Tomas Munita

Segundo lugar: Maurício Lima

Aqui, os outros ensaios.

Os seis finalistas da categoria Vida cotidiana – Individual

Máquina que há décadas é usada pelo POY para contar os votos

Máquina que há décadas é usada pelo POY para contar os votos

Jurados no segundo dia de votação

Nair Benedicto e Cristina García Rodero

 

Comentários 2

  1. Alexandre
    O comentário sobre as “amarras” na hora de julgar foi uma crítica, uma constatação ou as duas coisas?
    Abraço e parabéns!

    Rique

Deixe um comentário