Artigos e textos
Deixe um comentário

Longe de ser apagamento, se faz reencontro

beto-figueiroa-01

Fotos: Beto Figueiroa

Longe de ser apagamento, se faz reencontro

Georgia Quintas

O fotógrafo pernambucano Beto Figueiroa me mostra um arquivo com suas fotografias, um pouco do tanto que ele tem produzido ao longo de quase 15 anos. Pergunto sobre estas que aqui estão, e diz que fazem parte de seu ensaio Banzo. Figueiroa batizou tais imagens com o peso e a potencialidade imaginativa que o termo enuncia. Estar de banzo, viver e senti-lo possui uma relação de contexto. Da ausência vivida pelo que está longe de nós, irmanada na presença da saudade, da sensação de perdermos o chão seja por um lugar ou por uma pessoa. Palavra impregnada da escravidão, o banzo, a saudade extrema, matava os escravos ainda nas embarcações.

O sentido da palavra deambula por outras sensações como a dor da melancolia, da tristeza que embota a alma e tira todas as certezas do caminho. As imagens de Banzo discursam por entre o que a palavra sugere. No entanto, a força imagética salta para uma visualidade que percorre a abstração, solo de desvios, de contextos apreendidos pelo acaso tanto quanto de sonhos interrompidos, lampejos da vista. Foi assim que surgiu Banzo, pela sensibilidade em ver coisas possíveis para sentimentos da vida, que a fotografia faz (às vezes) de cenário.

Escutar as vozes do ensaio, e perceber as motivações sensíveis deste fotógrafo, amplia o próprio título. Tudo começa com Figueiroa avistando um terreno com elementos estranhos durante uma demanda de trabalho. “Entre as cidades de Surubim e Salgadinho avistei  uma pontinha de certa construção entre o mato. Um senhor que estava longe percebeu nossa curiosidade. Perguntou se queríamos entrar, perguntamos o que era. E disse ser um cemitério ancestral, no qual estavam enterradas pessoas que moraram na  localidade há muito tempo. Havia uma cerca e por fora outra. Eram túmulos muito antigos, e para cada um, um jasmim plantado com uma dimensão grande.  Não haviam cruzes. Achei bonito e melancólico isso”. Era um cemitério escravo.

É preciso apreender o percurso processual do fotógrafo por suas particularidades de quem concebe a imagem como parte de questionamento poético profundo lançado pela vida. Assim como também notar as escolhas de linguagem que constituem eixos narrativos da pesquisa autoral. É nesse ponto que o fotógrafo expande sua reflexão a partir do que ele percebe como intuição. Foi o cemitério ocultado que impulsionou Beto Figueiroa a olhar para o passado tanto quanto para o presente, pelo que diz que restou das memórias, tanto na material quanto no inconsciente, pela morte e pela vida. São imagens aparentadas do mistério, da força da natureza, da subjetividade e abstração, as quais delineiam a fruição em encontrar elementos que fazem sentido ao contorno conceitual desse trabalho.

E então, dentre as respostas que Figueiroa me fala sobre seu processo de pesquisa, emerge a ideia subjetiva de ausência, e surge Mãe Ná, sua avô. Responsável por sua criação e formação (ao lado de seus pais), essa senhora ficou cega aos 70 anos, e viveu até os 106 anos. Nunca viu o neto com os olhos. Dessa vivência afetiva, bem como da ausência de visão, narra o fotógrafo que se surpreendia cerrando ainda mais os olhos em meio ao escuro, em vez de procurar enxergar o que restara da luz. A mãe de Figueiroa velou a avô em casa, e espalhou álbuns de fotografias nos quais ela aparecia em vida.

Relatos como estes explicitam a rede sensível na qual se estruturam motivações, lembranças, narrativas precoces, que só algum tempo depois encaixam-se a outras interrupções da vida. “Hoje penso que foi com ela que aprendi mais sobre fotografia, olhar e contar histórias.” Banzo traz para a superfície um estado de alma, de quando ausência, longe de ser apagamento, se faz reencontro.

* Texto originalmente publicado no caderno Aliás do jornal O Estado de S. Paulo em 21 de dezembro de 2014 (http://goo.gl/Jg4mFS).

beto-figueiroa-02

beto-figueiroa-03

beto-figueiroa-04

beto-figueiroa-05

beto-figueiroa-06

beto-figueiroa-07

Foto: Beto Figueiroa/O Santo

beto-figueiroa-09

Deixe um comentário