Caio Guatelli

Comentários 10

Depois de tantos comentários (mais de 70 até agora) no post Muito Photoshop?, fiquei com uma coisa na cabeça: vamos mostrar os Raws. Foi aí que surgiu a ideia da seção “Mostre o seu Raw”, que começa hoje.

O propósito é proporcionar uma oportunidade de ver os arquivos Raws de alguns fotógrafos. Não tenho a intenção de começar uma batalha sobre estar certo ou errado. Se está bem tratado ou não. É real ou ficção.

Sempre será mostrado duas fotos. A imagen Raw, bruta e depois de ser tratada pelo fotógrafo: como foi apresentada ao mundo.

O fluxo será o seguinte: Raw sem alteração exportado (no Lightroom ou Camera Raw) como Jpeg para a publicação no blog.

Muito importante é a participação dos fotógrafos convidados. O convite foi aceito, mesmo sendo um assunto que pode trazer desdobramentos, às vezes chatos. Agradeço imensamente estes amigos que confiam no Olha, vê e que tem colaborado sempre com suas imagens e opiniões.

O primeiro convidado é Caio Guatelli, autor de um artigo sobre Raw publicado aqui.

Dados técnicos:
Canon EOS -1Ds Mark III + Camera Raw 5 do Photoshop CS4

Site de Caio Guatelli, aqui.

Fotos: Caio Guatelli/Folha Imagem

Comentários 10

  1. lombra 26/01/2010

    olá a todos e aumenta aí mais um parabéns pra coleção, pq gostei muito dessa seção RAW x TRATAMENTO. Na minha humilde opinião, sempre achei que o laboratório e seus impressores são partes integrantes da fotografia. O RAW e os softwares disponíveis para interpretá-lo e tratá-lo, nada mais são que os laboratórios em forma digital onde o fotógrafo assume o lado do laboratorista também! Particularmente, prefiro tratar minhas fotos pq já sei o que quero desde a captura, acho muito bom esse tipo de liberdade. Este puritanismo de que se tratar uma imagem é proibido, pecado e que “Deus castiga” precisa acabar. Uma coisa é manipular uma imagem tornando-a irreal, falsa, mentirosa (salvo se for proposital para algum trabalho autoral ou até publicitário), trazer informações de altas ou baixas luzes e temperaturas de cor é apenas o ato de recuperar o que já está na imagem. Ainda bem que existem muitos recursos digitais que estão à nossa disposição para que possamos usá-los de acordo com nossa criatividade ou até pra seguir briefings. É claro que ainda vamos nos deparar com as cataratas de mau gosto que caem sobre as infinitas imagens a que somos bombardeados, mas sempre prevalecerá o bom gosto e o talento que não são para todos.

    abraços!!

  2. Pingback: Olha, vê | Alexandre Belém » Entenda

  3. Sora Maia 15/05/2009

    Tiago,

    Depois de ler alguns posts do blog, resolvi deixar a comodidade de apenas clicar no link da fotoclic e finalmente adiciona-lo aos meus favoritos. Parabens e obrigada.

  4. Tiago da Arcela 13/05/2009

    Antes de tudo, parabéns pelo excelente blog.
    Quanto à questão da edição do RAW, acho que os pontos principais já foram tocados no outro post.
    Os exemplos desse novo post só mostram o que a simples tradução do inglês deixa claro: raw é cru!Preferências no tratamento, é outra estória, cada um tem a sua. Uns saturam mais, outros tiram a saturação, mas sempre muda. Na dúvida, fotografe-se em JPEG e deixe a câmera fazer os ajustes automáticos 🙂
    Ah, o photoshop devia ser chamado photolab. O laboratório, que antes era para poucos iniciados, hoje está acessível a quem quiser aprender.
    Abraço, Tiago da Arcela

  5. Gostei muito da iniciativa. Sempre acompanho o blog e o trabalho dos citados aqui.
    Sou fotojornalista, embora hoje atue em uma assessoria de imprensa.

    Há 6 meses atrás estava no Comércio da Franca, diário da cidade de Franca que cobre 9 cidades alí da região.

    Lá, com a equipe reduzida, muitas pautas e pcs lentos era quase impossível fotografar em RAW. Gostaria de saber do Caio e de outros repórteres fotográficos de diário como lidão com o RAW no diário. Quantas pautas fazem por dia, quanto tempo têm para tratar o material.

    Obrigado e parabéns pela iniciativa.

  6. Bom, o Olha, Vê! é o blog q mais gosto de visitar e todo dia tem um grade assunto pra ler e refletir. Esta iniciativa vai esquentar ainda mais essa discussão sobre tratamento x realidade. Vai ser um prazer acompanhar mais esse capítulo. Alexandre, tá mandando muito bem. Quando a seção vai abrir espaço pros simples mortais? Que o blog continue, assim, profícuo!

    Abraços.

  7. Excelente iniciativa Alexandre!

    A idéia vai render e vai dar o que falar! As fotos do Caio são muito bacanas! E fotojornalista que se prese a fotografar em RAW tem um QUE a mais! Parabéns aos dois!
    abs
    alessandro

  8. Caio, Alexandre,

    Excelente iniciativa.
    A foto do Caio, depois de processada, só manteve a qualidade porque o seu Raw é de qualidade.
    Um Raw zerado, na minha modesta opinião, é fundamental para que seja interpretado ao extremo sem que a imagem se deteriore.
    Não que este processamento do Caio tenha sido “extremo”, pelo contrário, está bastante dentro dos limites do plausível; o que digo é que, se quisesse (e é um direito do fotógrafo…) o Caio poderia ter radicalizado, e ainda assim a foto se sustentaria, tanto na temática quanto na definição.
    Caio, mandou bem, como sempre!
    Abraços aos dois,
    Clic!o

Deixe um comentário