A epiderme do espírito

Comentários 7

Foto: Gertrude Käsebier (1852-1934) – Evelyn Nesbit, 1903

Ultimamente, os retratos que impregnam o nosso entorno visual tendem a embaçar o olhar e provocam uma sensação de falta de profundidade. Aqui, o sentido profundo vai além da perspectiva pictórica. É sobre a fruição a que me refiro. Cada vez mais, tento encontrar na fotografia de corpo, retratos que expurguem o prosaico e que mostrem o outro de maneira contundente suas próprias representações. Em essência, a identidade que emana do corpo não está apenas nele. Os retratos fotográficos, desde sempre, são sintomáticos. A individualidade que se projeta na fotografia respira inefavelmente em nós, na nossa relação com o próprio meio que intermedia as representações. A pose permitida é transfiguração, auto-referência de desejos muito próprios, às vezes bem pessoais, outros de caráter social. Então, onde está o mimetismo? Na certeza, de que o que vemos é real. Porém, uma realidade que não passa de simulacro, de uma narrativa bidimensional. E filosoficamente, isso faz toda a diferença.

O surgimento da técnica fotográfica reconduziu uma maneira de ver e de ser visto. Não apenas isso, revelou uma linguagem própria complexa em suas idiossincrasias estéticas e simbólicas. Em parte, o fator mecânico e sua indiscutível natureza indiciária, de veracidade especular, em muitos momentos estiveram atrelados a propósitos científicos questionáveis como na fotografia antropométrica. Os retratos realizados por uma série de fotógrafos na Europa do século XIX consideravam a fisionomia a resposta ideal e normativa para determinados argumentos. Com base no cientificismo, o objetivo era classificar aspectos da criminologia e psiquiatria; assim como, dar conta de questões antropológicas relacionadas à raça em momentos de colonialismo. Historicamente, retratar as pessoas através da técnica fotográfica sempre teve intencionalidades bem definidas. Embora, seja definitivo o conceito de identidade, os retratos ao longo do processo do olhar fotográfico revelam particularidades sociais e culturais.

No entanto, o corpo se libertou. Houve trabalhos que trilharam as nuances que a linguagem fotográfica exerce no âmbito da criação artística. Podemos encontrar exemplos clássicos e contundentes – ainda no auge da moral que se exigia do comportamento e das atitudes femininas do final do século XIX – de que a imagem que se quer de si e para o outro é uma construção ad infinitum. O que envolve algumas rupturas da representação da identidade corporal, sobretudo, feminina. Como no caso da Condessa de Castiglione (1837-1899) que em meados do século XIX, protagonizou retratos ousados, mas, principalmente, comprometedores para quem os possuísse. E o que dizer dos fabulosos retratos de mulheres no estúdio francês Reutlinger (1850-1924) ou de Paul Nadar? A força plástica de tais imagens denota que os trejeitos contidos em trajes sufocantes gostariam de expressar algo mais. Então, se percebe que o ocultamento é muito mais inspirador. Daí, os clichês serem sempre o lugar comum que torna a nudez gratuita e pueril.

Não há como negar que as convenções estilísticas dialoguem com parâmetros ideológicos. Conteúdo e forma são indissociáveis. Portanto, um dos períodos mais expressivos de representação artística do corpo foi a fotografia pictorialista. Nesse sentido, vale relembrar do trabalho da fotógrafa americana Gertrude Käsebier (1852-1934). Com sua ambigüidade pungente entre densidade e sutileza, deixou marcas no imaginário das cenas domésticas, de acordo com o estilo pictórico e os anseios de legitimar a fotografia como arte, no início do século XX.

As concepções sobre nudez e erotismo seguiram-se no universo da fotografia… Logo, a trajetória de registrar o corpo iniciou um processo de subjetividade, desprendendo-se do realismo. É preciso perceber que os estilos deságuam inevitavelmente em outras percepções. E assim, ocorreu uma ruptura determinante com relação ao romantismo e à sexualidade na história da representação corporal na fotografia. Chega-se ao surrealismo, movimento que dessacraliza a temática da nudez tornando a idéia do corpo em alegoria e meio para a vanguarda de então.

No entanto, nada é gratuito no que contemplamos, pois o que articula a mise en scène a ser capturada é o desejo de seduzir, de aproximar, provocar os sentidos do outro. A simbiose entre retrato e retratado alinhava uma relação simbólica cuja complexidade invade várias esferas. Ou seja, desde a memória afetiva familiar e doméstica até a vida íntima dos indivíduos. O ato de registrar referenda o corpo como texto discursivo. Há o processo, o conteúdo e a dinâmica metafórica da imagem. Portanto, fotografar o corpo é penetrá-lo na epiderme do espírito e não no banal ou no clichê. O êxtase está no momento e, em algumas imagens fotográficas, nem rosto possuem. O torpor provem da atmosfera imagética. Lembro-me de J.W. Goethe, em “Os sofrimentos do jovem Werther”, que diz: “Falta-me o fermento que agitava, movia a minha vida; desapareceu o encantamento que me mantinha desperto a altas horas da noite, que de manhã me despertava do sono”. Ver um corpo fotografado pode ser isto. Como também, ter a sensação do vigor e do momento feérico entre a captura de um olhar sob o encanto sensível do corpo a sua frente.

Comentários 7

  1. regina 03/02/2010

    ola georgia, como posso conseguir a tua tese em pdf, pois o tema me interessa. um abraço

  2. Ahh…
    Gostaria de complementar dizendo que a Condessa de Castiglione é considerada a primeira “self made” top model da história da fotografia de moda.
    Personagem singular, egocêntrica e poderosa, usou a fotografia dela própria como ferramenta de sedução e poder político.
    Clicio

  3. Georgia,

    Você diz:
    “No entanto, nada é gratuito no que contemplamos, pois o que articula a mise en scène a ser capturada é o desejo de seduzir, de aproximar, provocar os sentidos do outro. A simbiose entre retrato e retratado alinhava uma relação simbólica cuja complexidade invade várias esferas.”
    Sempre retratei com esta mesma noção de complexidade, mas quero introduzir mais um elemento para completar o triângulo;
    retratista, retrato, retratado
    O fator integralizante é, como sempre, o observador, que finalmente realiza a imagem.
    Parabéns pelo texto.
    Clicio

  4. Emiliano Dantas 25/06/2009

    Parabéns Geórgia! As suas reflexões sobre a imagem são criticas e gosto muito quando as pessoas assumem suas idéias. Quem ganha somos nós que podemos usufruir das suas inquietações e a fotografia como um todo.

  5. Olá Georgia,
    realmente esse texto está muito bom! Não conhecia seu trabalho (até hj), mas já estou fuxicando aqui o blog pra ler outros artigos. Vi que você é Antropóloga e trabalha com imagem… pra mim é ótimo achar pessoas assim, pq sou formado em antropologia e sou fotógrafo. Minha monografia foi na área de Antropologia da Imagem, mas trabalho como fotógrafo. Gostaria muito de poder trocar mais idéias e saber as possibilidades nessa área… se puder entrar em contato, fico muito feliz!
    Aproveito pra deixar o link da minha monografia caso tenha tempo (e queira) dar uma lida…. http://izfotos.com/wp/?p=620 !
    Obrigado e parabéns pelo trabalho….

  6. juan esteves 25/06/2009

    Além do título genial, um texto idem! Em meio a tanto fotógrafo se auto retratando, uma boa leitura se faz necessária! A escolha do retrato acima e de quem o fez, também foi incrível. É impressionante o que emana dele! Põe no chinelo qualquer Playboy do século XXI. Erotismo e sensualidade assim, tão sutis e impactantes ao mesmo tempo, só mesmo em Machado de Assis!
    Viva Georgia!

Deixe um comentário