Daniel Marenco

Deixe um comentário

daniel-marenco-01

Fotos: Daniel Marenco – Série “Crack” (2009)

Os dois trabalhos de Daniel Marenco são fortes por que os temas abordam problemas difíceis? Esta pergunta persegue, subliminarmente, a esfera de assuntos que são fatos corriqueiros em nossa sociedade: as drogas e a seca (esta inserida em nosso imaginário desde muito cedo ligado aos vários “sertões” brasileiros). No ensaio sobre o uso do crack, o olhar se incomoda. Não é um problema, mas sim a certeza da proximidade com os fatos. Marenco tratou de inserir-se no contexto, de descrever de sua quase câmera subjetiva o caos e o desassossego desta realidade. Fotografias como feridas. Feridas em carne crua.

No ensaio “Seca”, respiramos melhor. Apesar de saber (e ver) vicissitudes contumazes desta situação. Mas, aqui há poética mais alegórica. A luz sublima em muito o real. As imagens transcendem e partem para a elaboração de cenários. Marenco parte para a subjetividade, não como adorno ou mecanismo de maximizar a escassez da terra e de sua gente. A atmosfera capturada é de um horizonte azul límpido e inexorável. Ao lado dele está a vida, também inexorável. Resta-nos pensar sobre essas imagens.

Quando perguntado sobre os pesos da intuição e da técnica ao fotografar, Marenco explica: “O racional/técnico fica na pesquisa de algum tema, no aprendizado, na busca de conhecimento e no pós, no tratamento e deveria ficar na edição, isso ainda tem muita influência do emocional, mas está sendo controlado. Agora na hora de fotografar já é mais emocional mesmo, cheiro, gosto, sentidos atuando junto à visão, o técnico na hora da foto fica só pra captar o que os outros sentidos perceberam. Mais ou menos assim…”. Mais ou menos assim, Marenco vai nos mostrando o mundo.

Georgia Quintas, março de 2010.

daniel-marenco-02

daniel-marenco-03

daniel-marenco-04

daniel-marenco-05

daniel-marenco-06

daniel-marenco-07

Série “Seca” (2009)

daniel-marenco-08

daniel-marenco-09

daniel-marenco-10

daniel-marenco-11

daniel-marenco-12

BIOGRAFIA

Porto Alegre (RS), 1980

Formado em jornalismo, trabalha como repórter fotográfico.

Vencedor do prêmio 7º Concurso Cultural Leica Fotografe Melhor (2009), na categoria ensaio, finalista do Prêmio Esso (2009). Indicado como fotógrafo revelação do prêmio O Melhor da Fotografia 09/10 e foi selecionado para a leitura de portfólio do PhotoEspaña em São Paulo.

Deixe um comentário