Quantos tempos têm a fotografia?

Comentários 6

DSC_3449

Fotos: Thiago Biz

Na mesa “O tempo iluminando o espaço – o território da fotografia”com Pio Figueiroa/Cia de Foto (SP), Claudia Linhares (RJ) e participação de Rubens Fernandes Júnior, o Tempo foi senhor do tempo.

Claudia começou com uma pergunta: “Quando o tempo comparece na imagem?”. Não sei se a pergunta foi respondida ou se outras perguntas foram surgindo. O bom é que o papo foi bem fluido e instigante. Misturando história + filosofia + arte, Claudia deslanchou numa onda bem complexa que até mesmo para definirmos que tempo estamos falando… É meio difícil. Certo momento, pensei que a palestra de Eder tinha voltado. Claudia falou da vida cotidiana e como ela é importante para este tempo da fotografia e é nela (na vida cotidiana) que a fotografia ocupa muito bem o seu espaço. Eder falou a mesma coisa na mesa de Cartier-Bresson. Lembre do ensaio Caixa de Sapato da Cia de Foto.

Pio mostrou alguns trabalhos da Cia que tangem a questão da temporalidade e antecipou um trecho do texto que sairá numa publicação do FestFotoPoa. O professor Rubens Fernandes Júnior mediou muito bem e sempre pontuou de forma construtiva e dinâmica a mesa. Ele também leu um pequeno trecho de um texto que foi publicado no jornal Zero Hora, de Porto Alegre. Você pode ler, aqui.

Chegando no hotel para atualizar o blog, um e-mail de Georgia com um pequeno texto. Ela tem acompanhado o FestFotoPoa pela transmissão ao vivo e mandou uma colaboração.

O tempo em POA.

Como é bom pensarmos sobre fotografia. E quando paramos para ouvir sobre o tempo e a fotografia? Aí então pode ser encanto e aprofundamento de conhecimento. Hoje, assisti à transmissão online da mesa “O tempo iluminando o espaço – o território da fotografia”. Infelizmente, não vi do começo a mesa. Cheguei atrasada e creio que vi metade da apresentação da colega Claudia Sanz Linhares. Mesmo assim, foi um deleite. É sempre um prazer apreciarmos resultados de pesquisas acadêmicas sendo colocados ao público de modo objetivo, consistente e propositivo. Claudia falou sobre o vigor filosófico que cabe ao tempo da e pela fotografia – o que não é pouco. Suas colocações bem alinhavadas a autores como Maurício Lissovsky foram bastante oportunas. Foi um luxo ver sua fala afinada ao tema. Afinal, Claudia defendeu sua tese de doutorado “Fotografia e Tempo: Vertigem e Paradoxo”, pela UFF (RJ), na última segunda-feira. Pena não estar em POA…

Por Georgia Quintas.

Comentários 6

  1. Tenho aula com a Cláudia e sem duvida é uma otima dica!
    =D

  2. opa… transmissão ao vivo? hmmm interessante! procurei em todos os pixels do site do FestFotoPoa e não encontrei nada, por isso recorro por aqui. vc poderia dispor o link pra gente que tá longe, longe? valeu!

  3. Georgia, devo concordar contigo, como é bacana pensar em fotografia… Vamos acompanhando aqui de SP, pelo Olhavê, a cobertura do FestPoa.

    Não conheço a Claudia Linhares pessoalmente, mas venho acompanhando sua produção pelo interesse no tema. Mando aqui um link do texto que ela apresentou no Intercom:
    http://www.intercom.org.br/premios/2009/Sanz.pdf

    Abs, Lívia

  4. acho importante o que você esta fazendo aqui de ligar as palestras e encontrar conversas, criar pontes entre pensamentos.
    a claudia fez uma muito boa síntese do pensamento filosófico sobre tempo e fotografia que sao ferramentas que nutrem a pratica fotográfica mesma.
    acho a parte mais interessante do conhecimento que desenvolve a claudia foi quando ela falou do tempo como parâmetro o fator intrínseco a criaçao mesma da fotografia como revoluçao técnica. o seja a noçao do tempo marcou uma muzanda do pensamento daquela época e como consequência criou uma ‘necessidade’ o releitura que resultou sendo transferido no processo fotográfico. Isso foi novidade para mim e um pensamento desafiante.

Deixe um comentário